EDUCAÇÃO

Corrente: Jovens pesquisadores da UESPÍ descobrem fungicida para combate de praga
Os pesquisadores também trabalham com trabalhos científicos para a preservação das sementes criolas do feijão.




Crédito: Raissa Morais


Os pesquisadores da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) de Corrente do Piauí, Ruth Soares Lopes, de 23 anos,  e Marcos Vinícius Ribeiro, 25 anos, do curso de Engenharia Agronômica,  desenvolveram um extrato aquoso de Nim, uma planta indiana muito difundida no Piauí, para o combate, como fungicida natural de combate à praga da mosca branca e do besouro vaquinha, que aparece uma joaninha.

Eles apresentaram o trabalho científico no Congresso Paraguaio de Sementes, em Cidad del Leste, no Paraguai.

 
“Pegamos 200 gramas de folha para um litro de água, bate dois minutos no liquidificador. Depois, retira os resquícios de folha e injeta 8 mililitros, para cada 100 sementes”, declarou Ruth Soares.

Marcos Vinícius disse que a ideia do uso do extrato de Nim surgiu da necessidade dos pequenos agricultores usarem um extrato para o combate natural das pragas, com baixos custos e mantendo sua produção orgânica, que tem maior valor no mercado.

 
“O nosso foco principal são os agricultores familiares que trabalham de forma semiorgânica com o extrato de uma planta que se adaptou muito bem à nossa região”, afirmou Ruth Soares.

Marcos Vinícius disse que sua família é de pequenos produtores rurais e já usou o extrato na propriedade dos pais no município de Gilbués, no Sul do Piauí.

 
“Fiz também a aplicação de Nim com álcool e detergente,  para usar contra formigas”, falou Marcos Vinícius.

Os pesquisadores também trabalham com trabalhos científicos para a preservação das sementes criolas do feijão.
 
Ruth Soares e Marcos Vinícius são namorados desde o ensino médio e querem casar. Ela vai seguir a carreira de pesquisadora fazendo mestrado e doutorado e que quer trabalhar no campo e ser representante de vendas de uma grande multinacional.
 
O jovem agricultor Luiz Vitor Barbosa Vieira trabalha com  seu avô, Solimar Honorato Vieira, capinando, roçando e apanhando feijão, em uma área de um hectare e meio, no povoado  Sangrilá, a  sete quilômetros do centro de Corrente. Ele disse que após a aplicação do extrato de Nim nas sementes do feijão, a mosca branca desapareceu este ano da lavoura.

 
“Apesar das chuvas terem caído tarde, o que plantamos segurou e este ano não enfrentamos a praga da mosca branca “, afirma Luiz Vitor, que quer fazer o curso de Medicina.
 



Galeria de Fotos:





COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



EDUCAÇÃO  |  07/03/2020 - 09h





EDUCAÇÃO  |  27/02/2020 - 11h